.posts recentes

. Outro blog

. Anjos

. Regresso

. Máscaras e Mesquinhez

. Parábola da Rosa

. Mais uma vez - A Amizade!

. Tio

. Romantismo

. Blog

. Carlos Paredes

.arquivos

. Março 2005

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

Terça-feira, 27 de Abril de 2004
Festa

lagrim.jpg


Naquela noite vesti-me para a festa. Coloquei o meu vestido longo, negro, que tu adoravas, o anel que me ofereceste, o perfume que te inebriava.
Era a forma de te sentir mais perto e não a mais de 100 km de distância, por terras do Sul.
Saí de casa contigo no meu pensamento e com a dor no peito, de quem sentia a aproximação de um fim.
A noite estava fria, como se esperava de uma noite de Dezembro e aconcheguei o casaco no pescoço, imaginando que seria o teu abraço. Entrei no carro, esfregando as mãos do frio e liguei o aquecimento. Seguia pela estrada que me levava ao hotel no meio da serra, à festa que me aguardava. As ruas estavam enfeitadas para receber o Natal e algumas pessoas apressadas seguiam em direcção às suas casas, na ânsia do calor do lar.
Entrei nos jardins do hotel, estacionei o carro e entrei na recepção. Rapidamente me indicaram a sala onde se encontrava o grupo de amigos em amena cavaqueira. Juntei-me a eles mas o meu coração sentia um aperto e pensei em ti, se estarias bem. Pensei em ligar-te mas tive receio do que a tua voz me dissesse.
Peguei num copo, dei mais uma volta pela sala, conversei um pouco, dei alguns sorrisos, ouvi umas piadas. Mas, o meu pensamento estava em ti e no teu tom de voz na última vez que conversámos.
E enquanto eu me sentia indecisa e tocava na mala, com vontade de pegar no telemóvel e ligar-te, eis que ele toca.
Eras tu! Não cabia em mim de contente, sem saber que esse telefonema seria o princípio do fim.
Notei na tua voz a frieza da noite de Inverno, nas tuas palavras o gelo que me entrava a pouco e pouco nos ossos. O meu encantamento foi caíndo, dando lugar à tristeza. Um tempo, pediste-me tu... Apenas um tempo! Deverias conhecer-me melhor e saber que não te daria um tempo. Que esse tempo que necessitavas, seria o fim. Para mim, não haveria retorno.
Desliguei o telemóvel e a minha vontade foi fugir dali, sossegar no meu canto, chorar as minhas mágoas, lamber as feridas.
Não podia... Pessoas que não imaginavam o que se passava, esperavam-me lá dentro... Lá, onde a festa se desenrolava. Lá, onde os risos e conversas se sobrepunham a qualquer desespero.
E eu alisei o meu vestido, ergui o rosto que se mantinha sem lágrimas, nem sei bem como, coloquei o meu melhor sorriso e, como se acabasse de vencer uma batalha, entrei esbanjando alegria, escondendo a minha derrota.
Uma alegria falsa, um disfarce tal como o de um palhaço.
Da minha boca saíam palavras de agrado, de riso, de brincadeira. No meu peito o coração gemia.
No meu rosto, os sorrisos sucediam-se. Nos meus olhos, as lágrimas esforçavam-se por não cair.
E assim terminei aquela noite de festa.
Uma festa feita de risos e lágrimas não derramadas.

publicado por Anjo do Sol às 22:38
link do post | favorito
De Anónimo a 28 de Abril de 2004 às 14:46
Oh. Pois. É mesmo o que possivelmente tens de fazer ... dar um tempo. Talvez assim ele perceba exactamente o que quer. Boa sorte :) **** .Tiago
(http://numanaturezamorta.blogspot.com)
(mailto:tiago_67@hotmail.com)
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Março 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
blogs SAPO
.subscrever feeds